• Enviar por e-mail

A equipe do Núcleo de Informações Estratégicas (NIE) do Tribunal de Contas de Santa Catarina apresentou, no dia 30 de novembro, a representantes da Diretoria Geral de Controle Externo (DGCE), diretores, coordenadores e chefes de divisão das diretorias técnicas do TCE/SC, a matriz de risco desenvolvida pela  Rede Nacional de Informações Estratégicas para o Controle Externo (Infocontas) (Saiba mais). O modelo apresentado poderá servir como base para a matriz de risco de planejamento de auditorias do TCE/SC, a ser elaborada pelo NIE e diretorias técnicas.

Segundo o coordenador do Núcleo, Nilsom Zanatto, o trabalho realizado pelo Infocontas contou com a participação da Corte de Contas catarinense e mais 22 tribunais de contas do País. Zanatto explicou que o processo foi implementado a partir de informações sobre credores de empenho, desde 2011, extraídas dos bancos de dados do Sistema de Fiscalização Integrada de Gestão (e-Sfinge). O material levado ao Labcontas — ambiente virtual que concentra diversas bases de dados do Tribunal de Contas da União — foi confrontado com outras bases, gerando a matriz de risco e um software de visualização dos resultados dos cruzamentos.

“Como o Planejamento Estratégico 2017/2022 do TCE/SC prevê a criação de uma matriz de risco para o nosso Tribunal, fizemos uma consulta aos nossos auditores fiscais de controle externo. Com as informações obtidas na matriz, poderemos decidir o quê auditar e qual unidade auditar. Isso vai orientar e otimizar a atuação de fiscalização do Tribunal”, reforçou Zanatto.

O diretor geral de Controle Externo do TCE/SC, Carlos Tramontin, destaca a importância da opção por métodos eficazes no processo de planejamento de auditorias. “A partir da existência de uma matriz de risco alicerçada em critérios metodológicos, internacionalmente aceitos, para a definição de auditorias, o TCE/SC passará a ter todos os seus trabalhos de fiscalização vinculados a questões definidas por tal instrumento’, acrescentou.  

 

Saiba mais: Rede Nacional de Informações Estratégicas para o Controle Externo

A InfoContas, constituída como espaço colegiado e permanente no âmbito dos Tribunais de Contas brasileiros, é formada pelo conjunto harmônico e integrado de Unidades de Informações Estratégicas, instituídas e implantadas em cada Tribunal partícipe da Rede, com vistas à cooperação técnica e ao intercâmbio de dados e conhecimentos, no interesse das atividades de Inteligência de Controle Externo. 

As Unidades de Informações Estratégicas, independentemente de sua denominação, são unidades organizacionais dos Tribunais de Contas brasileiros as quais competem adotar métodos, técnicas, procedimentos e formalidades inerentes à atividade de Inteligência de Controle Externo.  Ou seja, têm a atribuição de exercer a atividade especializada de produzir informações e conhecimentos que permitam às autoridades competentes, nos níveis estratégico, tático e operacional, adotar decisões que resultem em aumento de eficiência das ações de controle externo e realizar ações que exijam a utilização de métodos e técnicas de investigação de ilícitos administrativos.

Fonte:  http://infocontas.atricon.org.br/sobre-infocontas/

Enviar conteúdo por e-mailX

Separe os endereços por vírgula