TCE/SC implementa melhorias no vestiário e bicicletário | Tribunal de Contas SC
  • Enviar por e-mail
As iniciativas são um estímulo do TCE/SC aos servidores, funcionários terceirizados e estagiários que praticam ou querem começar qualquer atividade física, possibilitando a vinda direto ao trabalho. As cinco cabines do vestiário, instaladas em janeiro deste ano, receberam nova pintura e tiveram parte do chão do box revestido com piso. Os antigos armários foram trocados por 12 guarda-volumes de metal com chave. “Após o uso, a chave deve ser deixada na porta do equipamento”, ressalta o coordenador do Programa “Agenda Ambiental na Administração Pública” (A3P) no TCE/SC, auditor fiscal de controle externo Azor El Achkar.
 
O novo bicicletário, do tipo “suporte de encosto”, tem capacidade para 12 bicicletas. O Tribunal utilizava desde 2013 o modelo “encaixe de rodas”, que dificultava o estacionamento de alguns veículos por causa da diferença no tamanho do aro. “Com isso, o TCE/SC contribui para uma vida saudável, ecologicamente sustentável e, ainda, com a mobilidade da cidade”, enfatiza El Achkar, ao destacar que, em média, seis colaboradores vêm de bicicleta, diariamente.
 
O coordenador do Programa A3P informa que o uso do vestiário e do bicicletário não necessita de autorização, mas as pessoas devem se identificar na guarita que dá acesso às garagens. E aproveita para fazer um convite: “Aqueles que tiverem interesse, podem conhecer os espaços”.
 
 
Exemplos
 
O auditor fiscal de controle externo Enio Alpini mora no centro da Capital e explica que passou a utilizar a bicicleta a partir do momento em que foram disponibilizadas vagas no subsolo. “Tomei a decisão pela facilidade e agilidade para chegar ao trabalho”, destaca Alpini. Apesar de ter sentido uma mudança significativa no aproveitamento do tempo, visto que hoje ele não se preocupa com o trânsito, o auditor fiscal afirma que ainda falta respeito aos ciclistas por parte de motoristas e pedestres que andam nas ciclofaixas. 
           
O digitador Douglas Paulo Depiné mora no bairro da Agronômica e, às vezes, também utiliza a bicicleta como meio de transporte. Ele não identifica muitos problemas no trajeto até o TCE/SC, mas reconhece que a falta de prática e a própria insegurança podem inibir que outras pessoas utilizem a bicicleta. Em relação a essa dificuldade, o coletivo Bike Anjo é formado por voluntários que ajudam novos ciclistas a pedalar com segurança nas ruas da cidade. Em setembro do ano passado, em celebração ao Dia Mundial sem Carro, dois integrantes do coletivo estiveram na Corte de Contas para comentar sobre os benefícios da atividade física (Ler matéria).

Enviar conteúdo por e-mailX

Separe os endereços por vírgula